O Blues salva, a Literatura mata!

Santos Dumont se suicidou. Ele se enforcou com uma gravata em um quarto de hotel. Não suportou ver seu invento sendo utilizado na guerra.

Amy amou tanto que se drogou até a morte. Nem a música pôde curar sua dor.

Van Gogh foi levado ao suicidio esmagado por uma sociedade que rejeitou suas obras.

Maiakoviski uniu poesia e política. Foi brutalmente suicidado por ambas, ou por uma delas (nunca saberemos) com um tiro no coração.

Virginia Woolf morreu de excesso de lucidez. Acordou, escreveu uma carta de despedida, encheu os bolsos de pedras e se jogou no rio. Era primavera.

Sócrates foi condenado a morte por pensar fora caixa, e por acreditar e falar sobre suas idéias. Poderia ter se negado diante ao juri e vivido em silêncio pelo resto dos tempos. Mas aceitou o ultimo drink e foi suicidado pela sociedade grega.

Marilyn Monroe, se matou porque queria amor mas em seu caminho só encontrou sexo.

Kurt Cobain foi o suicida mais previsível da história da música. Desde sua primeira aparição se via estampado em seu peito: em breve darei um tiro na cabeça.

Cleopatra se mata no suicidio mais original e cinematográfico da história! Dizem que foi pela tristeza da derrota mas acho que foi por fome mesmo. Fome de poder, de imortalidade, de glória!

Tom e Jerry, Pica-Pau, Papa-Léguas já tentaram suicidio milhares de vezes e na frente das crianças!

E mais milhares de famosos e desconhecidos que tiveram a coragem de tomar o poder das mãos de Deus e sair da sala se espera.

Entaum, o suicídio é muito democrático, todos estão na mira.

Maaas, minhas pesquisas indicam que os que mais se suicidam são os escritores e os poetas e os que menos se suicidam, ou melhor, os que nãooooo se suicidam são os Bluesman!

Logo, a literatura mata e o Blues salva 😜 Escrevam menos e ouçam mais Blues ❤ amém 🙏 amém não! amem!

Tweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *