Não foi um ano foi uma dinamite | Palavras

2017 foi o ano do caranguejo, do camarão e do tacacá 😜 ano de descobrir o Marajó, de nadar em rio barrento e tomar banho de cobre. 200 dias carpe diem pra 300 noites de sapere aude! um ano Virginia Woolf, com dinheiro e habitação própria, não pra fazer literatura mas pra reescrever a própria história. ano de amor fati de livros novos e antigos blues. ano de sentir-se meio Geni meio Calcutá e por fim mandar todo mundo a la mierda, só pra sentir o prazer indizível de dormir só, envolvida por seu próprio perfume sem hora pra acordar e acordar sem ter que contar seus sonhos… um ano histórico, de canalhices monstruosas, e paisagens inesquecíveis. ano de gente linda que dá amor porque é o que tem pra dar. ano de gente covarde que dá esterco porque é o que tem pra dar. ano de jasmim e tapioca. ano de descobrir que cuia virou bowl, vestibular virou enem e corrupção agora atende pelo eufêmico: vantagens indevidas! ano de nao ter mais dúvidas que Eu Te Amo nao diz nada! ano de entregar um filho em sacrificio, meu único filho, pra saciar a fome de Chronos…

mas ainda assim, retornaria infinitas vezes só pra viver de novo 2017 ❤️ um ano que à la Nietzsche, não foi um ano, foi uma dinamite 😜 e ainda assim, obrigada 🙏 vem que tem 2018!

Tweet about this on TwitterShare on LinkedInShare on Google+Email this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *